A Ansiedade Tóxica

Na atual conjuntura em que se vive muitos momentos de ansiedade motivados por vários acontecimentos, principalmente da pandemia, pensei de deixar algo sobre o assunto, para tanto me deparei com um livro muito interessante. Em ansiedade tóxica, capítulo do livro “Emoções Tóxicas”, o autor Bernardo Stamateas faz nos lembrar de que a ansiedade, assim como as demais emoções, não pode nos tirar do foco e nem mesmo daquilo que almejamos. Para tanto sugere técnicas e estratégias simples de como lhe dar com esse sentimento.

O capítulo do livro é subdividido em 06 partes.  Inicialmente o texto traz uma discussão do que é ansiedade, posteriormente ressalta em que se está pensando, questiona por que dizem que somos ansiosos, questiona se ansiedade e estresse são as mesmas coisas e ainda dar sugestão de algumas atitudes que nos levarão a grandes mudanças, bem como ressalta que tudo começa no nosso interior.  Os capítulos são bibliográficos, cita pesquisa e usa fábula para melhor entendimento daquilo que deseja expressar, estes últimos não farão parte deste texto.

De início o autor argumenta que a ansiedade é a emoção que surge quando se sente a aproximação de alguma ameaça, quando se visualiza o futuro de forma negativa e com isso se prepara para enfrentá-lo. Ela se manifesta primeiramente na nossa mente e posteriormente no nosso corpo. A exemplo, antes de algo ficamos inquietos e depois surgem as dores de cabeça, o mal-estar no estômago, o suor, dentre outros.

A ansiedade como algo normal nos instiga a enfrentarmos uma pressão externa, os temores que surgem nos preservam diante de uma ameaça ou perigo. Mas o que ocorre quando saímos de momentos de ansiedade e vivemos ansiosos? O ansioso em cada situação nova, cada mudança, vive uma tortura com grande sofrimento interior.  Isso dar origem a ansiedade crônica, sendo vista como tóxica, podendo levar ao desânimo, tristeza e ainda a depressão, ou viver sempre acelerado. Par tanto a ansiedade é um estado emocional tóxico que faz a pessoa se tornar inquieta e temerosa.

Fonte: encurtador.com.br/dpsFY

O autor afirma ainda que a ansiedade na espera de alguma coisa dar origem ao desânimo e ainda leva a pessoa a pensar que nada tem sentido ou vale a pena. Ela não somente traz impedimento a experimentar emoções positivas, como alegria ou amor, como também impede que desfrutemos de forma plena a vida. Tudo começa nos pensamentos, estes o cérebro de maneira errada interpreta como reais. Mesmo que a nossa razão nos mostre que não são verdadeiros, acreditamos nesses pensamentos em nível emocional, ou seja, sentimos que são reais. Se o nosso cérebro achar que vai acontecer algo ruim, dar início ao envio de sintomas de ansiedade.  Assim evitemos aquilo que não nos serve, descartando assim tudo o que intoxica nossas emoções.

Outro ponto defendido pelo autor é que a ansiedade é uma emoção tóxica muito comum atualmente. Quando somos ansiosos não somente nossa mente é emoções ficam afetadas, mas também nosso corpo.  É possível que esteja passando na nossa cabeça decisões que precisamos tomar, escolhas para fazer, palavras a serem ditas, ou ainda estejamos fugindo de situações ou de pessoas que precisamos encarar. Nosso corpo é consciente disso, mesmo que queiramos negar ou ocultar a verdade. O ansioso procura todas as formas de acalmar essa emoção tóxica, para isso, recorre a coisas como comida, trabalho em excesso, ou ainda, automedicação.  De uma forma geral os sintomas mais comuns da ansiedade são: medo ou temor, preocupação, insegurança, apreensão, dificuldades para tomar decisão, problemas de concentração, insônia, sensação de perda de controle da vida ou do meio que o rodeia, perda de interesse, hiperatividade, gagueira, movimentos bruscos, tiques nervosos.

Com o passar dos dias se a ansiedade não for tratada de maneira apropriada, pode comprometer seriamente a saúde, dando origem assim aos transtornos de ansiedade, nestes estão inclusos pânico, obsessão-compulsiva e variados tipos de fobias. Dentre os sintomas mais graves da ansiedade estão as palpitações, sensação de falta de ar, pressão arterial alta, problemas digestivos, náuseas, tensão muscular, diarreia, dor de cabeça, suor excessivo, dentre outros. Pensando nisso, nossa mente necessita de um descanso, devemos oferecer-lhe um pouco de paz, quando conseguirmos relaxar, todas as coisas que instigava uma ansiedade ilimitada em nós, retornará a estar sob nosso controle.

Outro ponto em destaque pelo autor é quando se fala em ansiedade e estresse, será se está falando a mesma coisa?  De uma forma geral todos necessitamos ser pressionados em nossa vida, isso não tem nada de tóxico, como ser humano precisamos de uma tensão básica. No entanto, quando a pressão ou os estímulos são muitos e todos juntos ou poucos, mas por um grande período, ou a combinação de ambos, produz-se um desequilíbrio, surgindo daí o estresse. A situação dependerá do tempo e da intensidade que é vivida. Vivenciar um momento estressante não é a mesma coisa de viver estressado.  Um instante de estresse é normal, inesperado e ocasionado pelo meio externo, enquanto viver estressado é tóxico, procurado e ocasionado por nós mesmos, que passou a ser um hábito e “não conseguimos” viver de outra forma.

Fonte: encurtador.com.br/muP45

O estresse surge quando há questões externas de forma demasiada e o nosso organismo não consegue enfrentá-las. É uma tensão, uma coação física e mental, que termina rompendo o equilíbrio. No momento em que o corpo recebe um estímulo, dois hormônios são ativados a adrenalina e o cortisol. A adrenalina gera energia e força, fazendo que nos sintamos imortais, a energia aumenta, acelera o nível de excitação, desejo e entusiasmo. Quando acontece algo e isso é ativado em doses altas e de forma frequente, isso torna-se um veneno. O cortisol é um hormônio bom, no entanto quando aumenta de maneira excessiva o nível de açúcar no sangue, isso pode ocasionar um aumento de peso e perda de cálcio, magnésio e potássio nos ossos.   Todos temos uma reação os estímulos de forma diferente, os acontecimentos de nossas vidas dependerão de como interpretamos cada um deles.

O autor ressalta ainda que está livre da toxicidade da ansiedade é algo alcançável por nós.  Assim sugere algumas atitudes que nos levará a mudanças que ficarão enraizadas em nossos costumes e ainda servirão para reduzirmos o estresse, ficando assim livres da ansiedade tóxica. Dentre as sugestões estão começar verificando quais as fontes da ansiedade; tomar a iniciativa de abandonar as coisas que nos tiram a paz; desfrutar da vida de forma plena e calma; desenvolver hábitos que levem a sentir a paz de espírito, alma e corpo; evitar notícias ruins todo tempo, dedicar-se a um bom livro; aprender algo novo diariamente; cuidar da saúde e do corpo; procurar dormir e comer bem; incluir rotina de atividades físicas; distanciar-se de gente tóxica; aproximar-se de pessoas com mentalidade positiva; mudar o foco; falar de forma positiva; manter um registro escrito; rir um pouco todos os dias; esperar sempre o melhor; visualizar-se como uma pessoa de sucesso.

Para finalizar o autor afirma que todas as coisas começam dentro de nós, se estivermos em paz conosco e com os demais nada nos tirará do nosso lugar. Assim é indispensável buscarmos a paz, batalharmos para consegui-la e decidirmos mantê-la, independente do que ocorra ao nosso redor.  Viemos a este mundo para sermos livres, não devemos ser escravos de coisa alguma nem de ninguém.  Devemos nos atentar para as coisas importantes, que aumentam nossa energia; as secundárias nos retiram. Ninguém pode retirar a felicidade de nós, não a roubemos de nós mesmos através de emoções tóxicas. Nos permitamos ser felizes, festejemos a vida, podemos nos livrar da ansiedade.

Fonte: encurtador.com.br/dpsFY

REFERÊNCIA

STAMATEAS. B. Ansiedade tóxica. In: STAMATEAS. B. Emoções tóxicas. 2010. p.11-19. Disponível em: <https://fliphtml5.com/fckra/uxec/basic>. Acesso em: 01 dez 2021.