BBB – A Casa que habita em você

Começou o BBB.

Se te interessa saber mais, leia!

Pra quem só consegue reconhecer um programa lixo ou não discernir a classificação e o estilo entretenimento típico do mesmo, realmente, não é pra você que finge só consumir jornalismo ou conteúdos inteligentes.

Eu não assisto todas as edições porque algumas são chatas e não cumprem o seu papel, mas quando acontece de emplacar, sou presa fácil. E o que vou listar não é para explicar ou justificar, mas assistir BBB pra mim tem muita aprendizagem profissional e pessoal, sim!

– consagrado sucesso de mídia. Fatura muito e todas as marcas anunciantes seguem líderes de mercado; não é por acaso, é técnica e estratégias, uma ferramenta poderosíssima em favor do posicionamento de produtos e serviços; bem, a Netflix acabou de inserir mais de 1min de comercial no intervalo da sua concorrente de stream; pra fazer graça? Ah, tá, brincadeirinha cara, essa; enxerga, gente!

 – a última edição provou que as mídias tradicionais e os formatos atuais (digitais) deve e só são eficientes se andarem juntas, não há isolamento de marcas num só modelo de exposição dos seus produtos/serviços; a audiência total resulta da soma dos diversos canais e o público hoje passeia em todos;

– a junção e integração de pessoas dos mais diversos estilos, gêneros, características pessoais e profissionais, explora as emoções, limites, valores, preferências, prioridades, comportamentos, perfis psicológicos, enfim, leva cada um ao seu máximo e algumas lições de vida a gente pode aprender ao observar o outro; não é preciso necessariamente sentir na pele ou ser igual; isso é capacidade de aprendizagem;

– desenvolve criticidade, criatividade, potencialidade, autoridade, afinal, ali dentro existe uma identidade forte de cada um que vai impor o seu melhor (ou pior) na luta pela sobrevivência (vencer o jogo);

– e o fato de ser um jogo, desenvolve espírito de coletividade, individualidade, depende do momento e dos interesses; obriga-se a ser competitivo, a fomentar ideias, estratégias, a ter raciocínio lógico, cálculo, frieza, perceber as emoções, usar a razão, a pensar no próximo passo, nas mudanças de fases, estimula a vencer; hoje em dia, isso é muito valorizado nas empresas que já usam a filosofia dos games para o sucesso de suas equipes e, consequentemente, dos seus resultados.

Gente, por fim, quando eu quero informação política, eu leio notícias do tipo; quando eu quero romance, poesia, opinião crítica a respeito de alguma coisa, leio livros, artigos, crônicas; quando quero consumir outro tipo de cultura, ouço música na minha play list, assisto vídeos na internet, vou ao teatro, ao circo, vejo filmes; faço tudo isso sem ferir nenhuma vaidade, porque posso escolher o que fazer e faço minhas escolhas sem perder a minha essência.

E você pode não gostar, simples assim, também, mas não justifique suas predileções com argumentos que objetivam rebaixar quem faz o contrário, porque, tudo que listei antes faz sentido e os fatos são inquestionáveis.

Por último, uma sugestão; se você aguenta os grupos de WhatsApp da família e de alguns colegas de trabalho, sua intolerância ao BBB é algo a ser revisto, creia nisso, rs rs rs.

 

Luiz Cláudio A. Araújo
Publicitário. Especialista em Comunicação Empresarial e Marketing; graduado em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda pela Universidade de Ribeirão Preto, SP. Coordenador de ações e estratégias na Ellum Saúde Integrada, Espaço Combinado de Especialidades.