Orgulho, Preconceito e Zumbis: o Humano Massificado no cenário da Covid-19

“É uma verdade universalmente aceita que um zumbi, uma vez de posse de um cérebro, necessita de mais cérebros.”

Jane Austen (1775-1817) é, até os tempos atuais, um dos maiores nomes da literatura romancista, seus livros inspiraram gerações, além de grandes obras cinematográficas que foram sucessos de bilheterias.

Aqueles que se interessam pelo tema, com certeza já ouviram falar de uma de suas obras literárias de maior sucesso, Orgulho e Preconceito que traz vida aos personagens icônicos: Sr. Darcy, Srtas. Bennet, Sr. Bingley e Sr. Wickham, que são envolvidos em um drama sobre o casamento da bela Jane Bennet e Sr. Bingley, além da relação intensa entre Sr. Darcy e Sra. Elizabeth Bennet.

Na releitura da obra, chamada de Orgulho, Preconceito e Zumbis, o autor Seth Grahame-Smith incluiu um elemento não peculiar no enredo principal. Nas pacatas terras de Meryton e em todas as extensões do globo, há uma crescente invasão de Zumbis que atormenta a vida de todos.

Com a inclusão dos zumbis, Seth acrescentou habilidades particulares nos personagens, diluindo, de certa forma, a essência criada por Jane Austen, mas que se harmonizaram com a proposta do autor.

Fonte: Google imagens

 

Assim como na leitura original, a trama principal está diretamente relacionada com a família Bennet, onde o Sr. Bennet e a Sra. Bennet estão preocupados com o futuro matrimonial de suas 05 (cinco) filhas – Jane, Elizabeth, Mary, Kitty e Lydia – sendo que as esperanças da Sra. Bennet com sua filha Elizabeth são diminutas ante suas atitudes imponentes e autoritárias.

Já no início da obra percebemos uma química entre os personagens de Elizabeth e Sr. Darcy, assim como Jane e Sr. Bingley, porém, a vigorosidade dos ideais orgulhosos e preconceituosos do Sr. Darcy impedem, inicialmente, aquilo que poderia ser uma bela história de amor.

Apesar de ser uma história romântica, a obra apresenta embates psicológicos interessantes para um estudo de caso. 

O Sr. Wickham, um soldado e antigo ‘amigo’ de Sr. Darcy, mostra-se um homem de ideais convictos e antagônicos aos de Darcy o que atrai, momentaneamente, a atenção de Elizabeth e Jane.

Fonte: Google Imagens

 

Mas Sr. Wickham é um tipo ‘superior’ de zumbi, que possui consciência, autocontrole e boa feição, que não se alimenta de cérebros humanos, somente de porcos e outros animais, na tentativa de manter a sanidade. Wickham é líder de uma seita de zumbis ‘evangélicos’ que nutrem uma visão zumbificada do cristianismo.

Ponto interessante desta história que pode ser destacado, dentro da abordagem junguiana é o comparativo entre a epidemia zumbi com a do humano massificado apresentado por Jung (1991). Nas palavras de Contrera e Torres (2018), as semelhanças são identificáveis pelas seguintes características:

O andar constante do zumbi e sua eterna busca pela devoração dos cérebros [em busca de consciência] não deixa de ser uma metáfora perfeita para esse modo de vida pautado pelo consumo nas sociedades capitalistas: ansiedade e compulsão, criadas para mover os lucros advindos do consumo, para em seguida serem tratadas com medicamentos que as controlam, promovendo assim mais consumo. No momento em que esse ciclo perde qualquer referência de seus limites, o consumo transforma-se no autoconsumo. (CONTRERA e TORRES, 2018, p. 13).

Ainda sobre o humano massificado, Jung nos presenteia com a seguinte conclusão:

Quando a consciência subjetiva prefere as ideias e opiniões da consciência coletiva e se identifica com elas, os conteúdos do inconsciente coletivo são reprimidos. A repressão tem consequências típicas: a carga energética dos conteúdos se adiciona, até certo ponto, à carga do fator repressivo cuja importância efetiva aumenta em consequência disto. 

Quanto mais o nível da carga energética se eleva, tanto mais a atitude repressiva assume um caráter fanático e, por conseguinte, tanto mais se aproxima da conversão em seu oposto, isto é, da chamada enantiodromia. 

Quanto maior for a carga da consciência coletiva, tanto mais o Eu perde sua consciência prática. É, por assim dizer, sugado pelas opiniões e tendências da consciência coletiva, e o resultado disto é o humano massificado, a eterna vítima de qualquer “ismo”. 

O Eu só conserva sua independência se não se identificar com um dos opostos, mas conseguir manter o meio-termo entre eles. Isto só se torna possível, se ele permanece consciente dos dois lados ao mesmo tempo. [g.n]

Tanto na obra literária quanto cinematográfica, percebe-se uma ausência do Self por parte dos zumbis após determinado período da infecção. Outro ponto que se destaca é o próprio Wickham, posto que ele se utiliza deste pensamento coletivo massificado para manipular as hordas de zumbis.

Delimitando o tema para questões nacionais, principalmente diante do cenário pandêmico, podemos observar semelhanças com a atual conjuntura brasileira. Baixa escolaridade somada ao amplo acesso às redes sociais, acrescida de uma pitada sutil de Fake News, criam-se os zumbis brasileiros, com vários Wickham utilizando-os como massa de manobra de ideais e política.

Fonte: Google Imagens

 

Sobre o tema, Vedovati e Torres (2020), já fizeram um paralelo com o tema zumbi e Jung, observando a grande disseminação de notícias falsas que possuem o condão de manipular a consciência coletiva, trazendo à baila uma reflexão também sobre o passado, posto que manipular os zumbis, não é uma prática contemporânea:

O nível de manipulação das massas parece se dar atualmente em um grau jamais visto. Não somente Jung (2012) previu tal fenômeno como Harari (2016) discorre que o futuro será marcado por uma massa inútil comandada pelos algoritmos. Este fenômeno não é novo, se lançarmos o olhar ao passado, de acordo com Mackay (2002), encontraremos tendências de manipulação das massas pelo clero e pelos aristocratas que conseguiam convencer e prescrever, em certa medida, algumas percepções para as cidades e até países. O autor exemplifica com a caçada às bruxas na Idade Média. Porém, não há na história nenhum outro momento em que houve tanta informação apreendida pelos algoritmos, abrindo oportunidades ímpares de manipulação da massa em escala global; e também, nunca houve uma tecnologia que disseminasse conteúdos com tanta amplitude e rapidez como a internet.

Isto posto, apesar das belas cartas escritas pelo nobre Sr. Darcy para a bela Elizabeth, além do grandioso final com batalhas sangrentas e beijos voluptuosos, Orgulho Preconceito e Zumbi nos traz uma lição pouco observada sobre o ponto crucial e modificativo da obra: os zumbis.

Vez que, em um mundo real podem ser consideradas pessoas que negam o senso crítico e aceita uma verdade confortável que lhe é oferecida, sem grandes debates cognitivos, criando assim, o zumbi, digo, humano massificado pela consciência coletiva!

REFERÊNCIAS

BYINGTON, Carlos Amadeu B.. O arquétipo da vida e da morte. Um estudo da Psicologia Simbólica. Junguiana [online]. 2019, vol.37, n.1, pp. 175-200. ISSN 0103-0825. Disponível em < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-08252019000100008> acesso em out 2021.

CONTRERA, M. S.; TORRES, L. O zumbi no imaginário mediático: Zumbi e Pulsão de Morte na Sociedade Mediática. E-Compós, v. 22, n. 1, 21 dez. 2018.

JUNG, Carl Gustav. A natureza da psique, Edit. Vozes, 3º ed, 1991.

VEDOVATI, Alethéia Skowronski; TORRES, Leonardo. NECROPOLÍTICA, ZUMBIS, COVID-19 E JUNG. Instituto Junguiano de Ensino e Pesquisa. 2020. Disponível em <https://www.ijep.com.br/artigos/show/necropolitica-zumbis-covid-19-e-jung> acesso em out 2021.