Avaliação online: Desafios no novo contexto da Pandemia

O Conselho Federal de Psicologia (CFP), na Resolução nº 007/2003 define Avaliação psicológica, como um processo técnico científico de coleta de dados, estudos e interpretação de informações acerca dos fenômenos psicológicos, o qual pode fazer uso de estratégias psicológicas assim como métodos, técnicas e instrumentos.

A avaliação psicológica pode ser compreendida, portanto, como um amplo espaço de desenvolvimento de um saber psicológico que perpassa pela aplicação de instrumentos e técnicas, que possibilitam a expressão das teorias psicológicas de forma sistematizada, onde seus postulados podem ser testados e os fenômenos mais bem explicados. (CFP, 2003).

A avaliação psicológica está voltada para aspectos mais gerais, poderão ser utilizados sempre que necessário os testes psicológicos, já que são inerentes a prática do profissional psicólogo, sendo que somente este poderá utilizá-los, a preocupação se direciona, para comparação do indivíduo com o seu grupo normativo ou de critério (MENDES et al, 2013)

O CFP pela Resolução nº 11/2018 regulamentou a prestação de serviços psicológicos realizados por meios de tecnologias da informação e da comunicação e com isso possibilitou que a avaliação psicológica na modalidade online acontecesse, considerando critérios que devem ser observados para que de fato seja legitimada.

Apesar de ser um assunto que vem sendo bastante explorado nesse período de pandemia pela COVID-19, o uso das tecnologias da informação e da comunicação já era algo que se registrava internacionalmente, desde o final da década de 1990, ainda por meio de contato via telefone. Em razão do atual contexto, os estudos se ampliaram para as questões referentes ao atendimento psicológico de maneira remota e mesmo sendo considerado um desafio, pois nem todos teriam acesso a esse serviço, e principalmente às questões referentes a avaliação psicológica, como a falta de treinamento dos profissionais e ainda, os instrumentos/testes adequados para o formato remoto, tem gerado discussões e adaptações necessárias, para que sua operacionalização aconteça. (MARASCA et al, 2020)

Fonte: encurtador.com.br/hixTV

Os estudos são ainda muito escassos, mas um processo de construção tem ocorrido, ainda que de forma lenta e gradual, através da mobilização dos profissionais que trabalham na área e também da intensidade das demandas que tem urgência no atendimento, diante de um contexto de pandemia de muitas incertezas. É necessário antes de qualquer procedimento inicial da avaliação online conhecer e verificar a pertinência da demanda para a modalidade remota, item muito importante, pois a avaliação relacionada a crianças, por exemplo ainda não possui instrumentos aprovados e divulgados para sua efetivação, portanto, inadequada para esse formato. Sendo assim, características da pessoa a ser atendida, como idade, condições físicas e cognitivas, fatores culturais e outros dados como familiaridade com o uso de tecnologia, disponibilidade de acesso a aparelhos eletrônicos e qualidade da conexão à internet, devem ser cuidadosamente verificados pelo profissional, para que ocorra a prática da avaliação online. MARASCA et al, 2020)

Quanto a demanda ainda é importante ressaltar que a presença de certos diagnósticos de transtornos mentais, o tipo de sintoma apresentado pelo paciente, como é o caso dos sintomas psicóticos, uso de substâncias e no contexto judicial, a avaliação compulsória, são situações que podem oferecer riscos para a avaliação online, no que se refere ao comprometimento dos resultados obtidos, pelas implicações dessas demandas, sendo necessário que o profissional avalie os custos e benefícios para que esse processo aconteça. MARASCA et al, 2020)

O psicólogo também deve se preocupar com o setting, importante orientar sobre os aspectos que devem obrigatoriamente serem seguidos, com ambiente confortável, com privacidade, sem distrações e seguro de que não será interrompido, algo imprescindível para a garantia da qualidade da aplicação dos testes e sigilo das informações. No momento, no SATEPSI consta uma lista de 08 testes favoráveis para aplicação de maneira remota, qua avaliam no geral, a atenção, impulsividade, personalidade, inteligência, interesses e motivações. MARASCA et al, 2020)

As principais questões negativas levantadas em relação a aplicação dos testes de forma remota, diz respeito ao baixo controle do psicólogo acerca do ambiente de testagem e as possíveis interrupções devido à qualidade da conexão à internet. Mas positivamente, se registra que a tecnologia pode auxiliar na precisão de algumas medidas, como o tempo de reação ou o rastreio do movimento ocular, pode aumentar a interação com a pessoa avaliada, apresentar maior riqueza de estímulos, fornecer maior segurança e rapidez para o armazenamento dos protocolos respondidos, assim como facilitar a pontuação e interpretação dos resultados, algo sem dúvida relevante a se considerar no atual contexto, em que se busca soluções viáveis para esse tipo de atendimento. MARASCA et al, 2020)

Nesse sentido, a situação atual da pandemia pela COVID 19, sem dúvida trouxe para o cenário das discussões, aspectos importantes que problematizam a atuação do psicólogo na sua prática de atendimento, com ênfase nas peculiaridades da avaliação psicológica, considerando a longa trajetória de enfrentamento dessa categoria para um fazer, observando a característica da cientificidade, como algo relevante a ser considerado, sendo a modalidade online, ainda repleta de limitações para a efetivação da avaliação psicológica, sob os preceitos da ética como norteadora desses processos de trabalho.

Fonte: encurtador.com.br/tMT89

REFERÊNCIAS:

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução nº 011/2018. Regulamenta a prestação de serviços psicológicos realizados por meios de tecnologias da informação e da comunicação e revoga a Resolução CFP N.º 11/2012.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução nº 007/2003. Institui o Manual de Elaboração de Documentos Escritos produzidos pelo psicólogo, decorrentes de avaliação psicológica e revoga a Resolução CFP º 17/2002.

MARASCA, Aline Riboli et al. Avaliação psicológica online: considerações a partir da pandemia do novo coronavírus (COVID-19) para a prática e o ensino no contexto a distância. Estud. psicol. (Campinas), Campinas, v. 37, e200085, 2020.   Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103166X2020000100509&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 abr. 2021

MENDES, Lorena Samara et al . Conceitos de avaliação psicológica: conhecimento de estudantes e profissionais. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 33, n. 2, p. 428-445, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932013000200013&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 19 abr. 2021.

Andréia Nogueira Alves Teles
Assistente Social (UFPI), bacharel em Direito (UNIRG) e Acadêmica de Psicologia pelo Ceulp/Ulbra. Pós-graduação em Saúde Pública (FAINTER), em Saúde Mental (AVM) e em Prevenção e tratamento do uso e abuso de substâncias psicoativas (FASEM). Trabalha como Assistente Social na Polícia Militar do Tocantins.