Psicologia hospitalar: acolhimento ao doente mental

O campo de atuação denominada saúde mental surgiu com o objetivo de oportunizar o trabalho de uma equipe multidisciplinar, com participações em ações sociais, com o intuito de tratar e respeitar o paciente de maneira singular

O tratamento para a loucura surgiu no século XIX através de uma proposta terapêutica do médico Philippe Pinel, colaborando para a eclosão da psiquiatria. Antes de Pinel, qualquer pessoa que representasse risco social era enclausurada sem assistência médica. Tais pessoas eram: loucos, mendigos, ladrões, leprosos, mães solteiras e órfãos. Isto por que a cura era buscada através do isolamento social, e caso não acontecesse, o destino era a exclusão (FOUCAULT, 1997).

Através da movimentação de Pinel e do cenário de castigo e exclusão, abre portas para diversos movimentos, com o intuito de denunciar as péssimas condições de trabalho, precariedade dos ambientes, condições insalubres, isolamento em celas e tratamento violento como forma de punição. Assim como a Reforma Psiquiátrica Brasileira (AMARANTE, 1995), que por influência da Reforma Democrática Italiana, foi instaurada no Brasil na década de 70.

Fonte: encurtador.com.br/mBHNY

O campo de atuação denominada saúde mental surgiu com o objetivo de oportunizar o trabalho de uma equipe multidisciplinar, com participações em ações sociais, com o intuito de tratar e respeitar o paciente de maneira singular (NETO, 2008). Logo, o paciente passou a ter voz. A partir da necessidade de dar a voz do saber ao paciente, para buscar melhor entendimento, e resultar em um tratamento mais eficaz, abrangendo o psicossocial e descentralizando o modelo biomédico, surge os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS).

[…] são serviços de saúde municipais, abertos, comunitários, que oferecem atendimento diário às pessoas com transtornos mentais severos e persistentes, realizando o acompanhamento clínico e a reinserção social dessas pessoas através do acesso ao trabalho, lazer, exercício dos direitos civis e fortalecimento dos laços familiares e comunitários (BRASIL, 2005, p. 27)

A participação do psicólogo na equipe multidisciplinar se torna fundamental, visto que o psicólogo promove escuta terapêutica individual e grupal, assim como trabalha na produção de informações de tratamento e redução de danos, direcionada ao doente, a família e a sociedade em que o doente está inserido.

Fonte: encurtador.com.br/tX179

É sabido que transtornos mentais, neurobiológicos e/ou problemas sociais decorrentes do uso e abuso de álcool e outras drogas é um problema social grave. Quando um indivíduo necessita de cuidados especializados, que não se enquadram aos serviços oferecidos no CAPS, o encaminhamento hospitalar é realizada. A internação é realizada em uma Unidade Psiquiátrica situada em Hospitais Gerais. A ala psiquiátrica é composta por profissionais de diferentes áreas, como psiquiatras, psicólogos, enfermeiros, assistes sociais, entre outros (COLITO, 2016).

Por fim, é importante ressaltar que nem sempre existiu o termo Psicologia Hospitalar no Brasil. O surgimento ocorreu em 1970, com a primeira investigação biopsicossocial de um paciente da ala de ortopedia de um hospital de São Paulo. Segundo Castro e Bornholdt (2004) a terminologia é inexistente em outros países. É importante diferenciar a psicologia hospitalar e a psicologia da saúde. A primeira faz parte da segunda, no entanto tem um campo delimitado, o ambiente hospitalar. “Psicologia Hospitalar é o campo de entendimento e tratamento dos aspectos psicológicos em torno do adoecimento” – aquele que se “dá quando o sujeito humano, carregado de subjetividade, esbarra em um ‘real’, de natureza patológica, denominado doença…” (SIMONETTI, 2004, p. 15 apud MOSIMANN; LUSTOSA, 2011). Já a segunda tem uma maior amplitude, pois abarca desde escolas a hospitais. “A Psicologia da Saúde é a ciência que busca responder questões relativas à forma como o bem-estar das pessoas pode ser afetado pelo que se pensa, sente e faz” (STRAUB, 2005, apud MOSIMANN).

Acolhimento psicológico ao doente mental na ala psiquiátrica

O acolhimento deve estar presente em qualquer situação de humanização da saúde. No atendimento não tem um local específico de realização, visto que ele pode ser no corredor, no leito e/ou no consultório. O intuito é acolher e dar suporte ao paciente de acordo com suas queixas e necessidades físicas e psicológico.

[…] postura ética que implica na escuta do usuário em suas queixas, no reconhecimento do seu protagonismo no processo de saúde e adoecimento, e na responsabilização pela resolução, com ativação de redes de compartilhamento de saberes. Acolher é um compromisso de resposta às necessidades dos cidadãos que procuram os serviços de saúde […]. (BRASIL, 2015, S/P)

A preparação do psicólogo é importante, pois o mesmo precisa planejar a intervenção considerando, além dos fatores psíquicos, os fatores sociais em que o paciente está inserido e que pode ser potenciador do adoecimento (SIMONETTI, 2016). Não é trabalhado a cura completa, visto que paciente internado, pode ter um longo histórico de internação e/ou de experiências de crises, que podem deixar sequelas, impossibilitando o alcance do reajuste psíquico anterior. Desta forma, novos reajustes são/podem ser feitos, com o intuito ter uma melhor qualidade de vida diante da limitação psicológica.

Fonte: encurtador.com.br/wyKS5

É importante que o psicólogo se mantenha calmo, para que possa passar tranquilidade e segurança ao paciente, visto que o acolhimento não é um ambiente de agitação. Isto por que um paciente em crise geralmente é agitado, e o psicólogo precisa saber o momento certo de fazer a contenção de ansiedade (SIMONETTI, 2016). O paciente em crise, geralmente, é inundado por um real simbólico, e a intensidade dos sintomas pode ser ´´assustadora“ para o profissional que está iniciando, o que aumenta a importância de uma preparação antes de se iniciar em tal campo.

Inicialmente, se faz necessário que o psicólogo faça um breve exame do estado mental, investigando informações do paciente para ter ideia do grau de adoecimento psíquico. O exame do estado mental é a pesquisa sistemática de sinais e sintomas de alterações do funcionamento mental, realizado durante a entrevista psicológica e psiquiátrica. É analisado: Consciência, Atenção, Orientação, Memória, Afetividade, Pensamento, Juízo Crítico, Linguagem, Cognição, entre outros. Comorbidades também são comuns, logo o psicólogo precisa analisar com cautela a queixa do paciente, e saber diferenciar sintomas do transtorno mental, do medicamento, de algum outro transtorno (não diagnosticado) e/ou de alguma doença orgânica.

Pode acontecer de alguns pacientes em crise não conseguirem se localizar no tempo e no espaço, assim como não ter juízo crítico da doença, e/ou retardo mental, etc. Tal cenário fomenta a importância do atendimento a família, a fim de obter informações que auxiliem no tratamento do paciente. Muitas vezes o acolhimento da família também se faz necessário como forma de promover escuta terapêutica e/ou de educar a família quanto aos sintomas e tratamento da doença. Pois pode ser o primeiro surto e/ou internação, e o parente não se enxergar capaz de passar pelo enfrentamento da situação, não entender a doença e/ou o tratamento, se culpar, negar e ter medo. Pode acontecer, também, de o parente já estar esgotado fisicamente e mentalmente, visto que cuidar de um doente mental não é uma tarefa fácil, e exige muita paciência e gasto de energia.

Fonte: encurtador.com.br/fmtH0

Por fim, o psicólogo precisa delimitar o foco, que é ajudar o paciente e/ou familiar a passar pelo processo de adoecimento, enquanto houver internação. Desta forma os atendimentos são breves, objetivos e informativos. A duração de internação do paciente cabe a necessidade de cada paciente, podendo durar dias ou semanas. É responsabilidade, também, do psicólogo de frisar a importância da continuação do tratamento após a alta, informando que existe uma rede de apoio, fora do ambiente hospitalar, que o doente e família pode recorrer.

Referências

AMARANTE, P. (1995). Loucos pela vida: A trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz.

BRASIL. Ministério da Saúde. Dicas em saúde: acolhimento, 2015.

Brasil. (2005). Ministério da Saúde. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. Brasília, DF. http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/relatorio_15_anos_caracas.pdf.

CASTRO, E. K. & BORNHOLDT, E. Psicologia da Saúde x Psicologia Hospitalar: Definições e Possibilidades de Inserção Profissional. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 24, n. 3, p. 48-57, 2004. Acesso em: 22 mar. 2017.

COLITO, Eliana, A. Assistência à pacientes portadores de transtornos mentais em unidades de emergência e urgência: capacitação dos profissionais de saúde. 2016. 20 f. Monografia (Especialização em Linhas de Cuidado em Enfermagem – Atenção Psicossocial) – Curso de Enfermagem, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

FOUCAULT, M. (1997). A história da loucura na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva.

LUSTOSA, M. A. A difícil tarefa de falar sobre morte no hospital. Rev. Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 203-227, 2011.

MOSIMANN, Laila T.; LUSTOSA, Maria Alice. A Psicologia hospitalar e o hospital. Santa Casa da Misericórdia do RJ-CESANTA. Rev. SBPH, Rio de Janeiro, v.14, n.1, jun. 2011.

KUBO, O. M., & BOTOMÉ, S. P. (2001). Formação e atuação do psicólogo para o tratamento em saúde e em organizações de atendimento à saúde. InterAÇÂO, 5, 93-122. Recuperado em 26 ago., 2009, de http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/psicologia/article/viewFile/3319/2663.

SIMONETTI, A. Manual de Psicologia Hospitalar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. PERES, Girlane Mayara e LOPES, Ana Maria Pereira. Acompanhamento de pacientes internados e processos de humanização em hospitais gerais. Psicol. Hosp. (São Paulo), v.10, n. 1, p. 17-41, 2012.

SIMONETTI, Alfredo. Manual de psicologia hospitalar: o mapa da doença. 8. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2016.