Hoje sou Alice: a toca do coelho é bem mais profunda

“Em ‘Hoje eu sou Alice’ a autora relata a extraordinária jornada de uma mulher com transtorno dissociativo de personalidade, que precisou lutar contra a anorexia, o álcool, mas, mais do que tudo, contra nove personalidades alternativas que emergiram após ficarem adormecidas diante de uma infância pertubadoramente cruel. Sem controle, Alice entregou-se a elas – e sua vida passou a ser um caleidoscópio de acontecimentos e revelações. Emocionante e incrivelmente inspirador, este é o relato cativante sobre uma doença rara e sobre a história de uma mulher que decidiu lutar contra a realidade e a imaginação.” – Larousse do Brasil

Alice Jamieson decide contar todo seu trajeto de vida através dessa autobiografia por nome de ‘’Hoje sou Alice’’, nela ela conta os abusos sofridos tanto físicos quanto psicológicos desde quando tinha seis meses de idade até sua adolescência, cometidos por diversas pessoas: homens, mulheres e até um círculo de pedófilos em que seu pai estava inserido, porém a maioria dos abusos era cometido pelo seu pai. Desencadeando uma série de traumas, ela teve anorexia, desenvolveu TOC e o mais descrito e perceptível durante todo o livro é o desenvolvimento de um distúrbio de múltiplas personalidades (sendo pelo menos nove).

tumblr_inline_mtuc4odHGt1qzt67j
Fonte: encurtador.com.br/cJMRY

“(…) Ao longo de toda a minha infância, sofri abuso sexual, físico e emocional, e não contei a ninguém. Este livro descreve como na infância desenvolvi mecanismos para lidar com o abuso e como agora, adulta, tenho lutado para levar uma vida normal em meio a períodos de psicose, crises nervosas, vício em drogas e automutilação. Não me desculparei pela linguagem chocante em alguns trechos e pelas verdades indigestas que precisam ser contadas. O abuso infantil é algo inimaginável para os que não foram vítimas dele, ao passo que é o inferno para os que sofrem diariamente com o sentimento da vergonha e à noite são tomados pelo medo de que a porta seja aberta e que o homem – quase sempre é um homem – entre em seu quarto. Na maioria das vezes, o abuso se dá em casa e geralmente envolve parentes próximos – pais, irmãos etc.” – página 13

A autora enriquece o livro de detalhes, dando aquele ‘’soco no estômago’’ de todos os leitores, relatando não só os abusos, mas todas as consequências suportadas durante sua vida adulta, assim marcada por transtornos psicológicos. No decorrer de todo seu crescimento Alice retomava as dolorosas lembranças por pesadelos ou até mesmo flashbacks.

Resultado de imagem para gif menina chorando
Fonte: encurtador.com.br/bdhA7

“Eu estava sempre visualizando a imagem de um homem entrando no meu quarto e tirando as minhas roupas no meio da noite, percorrendo meu corpo com suas mãos, afastando meus braços, me tocando em lugares que não deveria. De manhã, enquanto minha visão ainda se adaptava à luz, eu tinha visões fragmentadas, malformadas, que eram tão repugnantes que me faziam correr para o chuveiro a fim de queimá-las debaixo da água quente e eliminá-las do meu cérebro’’. – página 30

Toda a criação das personalidades desenvolveu-se durante sua infância, criadas assim para ser uma válvula de defesa e sobrevivência. Das personalidades que mais perturbavam a escritora eram: JJ, um menino de 10 anos que gostava de brincar com uma arma de plástico e cometer pequenos furtos; Kato, um adolescente suicida e violento, que quando controlava Alice fazia a mesma acordar em hospitais com os braços enfaixados e Shirley, uma menina de 14 anos que gosta de ficar bêbada e cozinhar.

tumblr_lk9k3okxzW1qfox2bo1_500
Fonte: encurtador.com.br/cJMRY

‘’No todo, já tive cerca de cem overdoses e precisei de quinhentos pontos nos braços: chamamos essas marcas de cicatrizes de batalhas. Sobrevivi a essas batalhas, o que uma pessoa religiosa provavelmente chamaria de milagre.’’ – página 283

Tirando o fato de o livro contar uma vida destruída e triste, a autora sempre dá detalhes de como ver e perceber que uma criança está sofrendo ou sofreu abuso, falar sobre a temática dói, porém nos prepara melhor para prevenir que novos casos ocorram, destacando a leitura como muito importante.

A linguagem do texto é clara e tranquila de se ler, fazendo com que os leitores se sintam dentro da história, colocando-se no lugar da autora e percebendo a inocência da mesma. O livro é um relato cruel, causa desconforto e nos faz interromper a leitura diversas vezes.

FICHA TÉCNICA DO LIVRO

Titulo: Hoje eu sou AliceNove Personalidades, Uma Mente Torturada.
Autora: Alice Jamieson
Ano: 2010
Páginas: 336
Editora: Larousse do Brasil

Ana Beatriz de Sousa R. Silva
Acadêmica de Psicologia do Centro Universitário Luterano de Palmas CEULP/ULBRA. Voluntária no Portal (En)Cena – A Saúde Mental em Movimento.